ARRAIAL DO CABO/RJ

Viagem realizada em 16/01/2015 –

Já fazia cerca de 10 anos sem eu ir na cidade onde fui criado. Meu padrinho tem um apartamento na Prainha e, sempre que possível, papai me levava para lá a fim de passar férias e fins de semana. Foi nessa praia, inclusive, que eu aprendi a nadar. Logo, nada mais natural do que retornar a ela para apresentar esse município paradisíaco à Dezinha.

De Itaboraí, contando com uma breve parada no Graal de Rio Bonito, estimamos umas duas horas e meia de ônibus até nosso destino final. Confesso que estávamos enganados. Um engarrafamento em Cabo Frio adicionou uma horinha em nosso percurso. Mas chegamos!

Primeira foto em solo arraialense

Primeira foto em solo arraialense

Prainha

Prainha

Nossa pousada, que já estava reservada, foi a Seven. De frente para o mar, onde você já sai pisando na areia da Prainha. A destacar, também, o atendimento do dono Carlos, um cara bem simples e simpático, que, filho de suíço, fala vários idiomas fluentemente.

Vista do nosso quarto

Vista do nosso quarto

Nosso quarto

Nosso quarto

Nosso quarto

Nosso quarto

Deixando nossas coisas “em casa”, e, já por volta das 23 horas, fomos fazer o óbvio: caçar um bar. Não queríamos ir longe para podermos acordar cedo no dia seguinte e explorar a cidade. Andando para lá e para cá, achamos o Bar do Zé Carlos. O resultado foi isso aí:

Hidratação

Hidratação

Amanheceu o sábado e lá estávamos nós, decididos a ir até a marina para fazermos o tradicional passeio de barco de Arraial. No caminho, conseguimos uma companhia que nos fez o preço de 100 reais pelo casal. A embarcação seria a Miss Júlia. Ressalto que o atendimento foi longe de 5 estrelas. Após pagarmos o barco, tivemos que enfrentar mais de uma hora em uma fila para pagar a taxa que a Prefeitura cobra individualmente para o passeio. Um dos tripulantes de nossa embarcação também era bem ignorante, o que chegou a fazer umas pessoas desistirem. Nós cogitamos a possibilidade. Mas acabamos indo. E valeu a pena!

Vista do barco

Vista do barco

O primeiro destino foi a Ilha do Farol, com sua praia sempre classificada entre as mais limpas e belas do mundo.

Praia da Ilha do Farol

Praia da Ilha do Farol

Praia da Ilha do Farol

Praia da Ilha do Farol

O local fica sob gerência da Marinha, que delimita a área turística, punindo com multas severas as pessoas que ultrapassam a corda que faz a demarcação, contando com vários militares a paisana na fiscalização. Obviamente respeitei, mas deu para explorar essa estrutura aí:

Praia da Ilha do Farol

Praia da Ilha do Farol

As rochas também estavam nos aguardado para nos dar a oportunidade de observar esse paraíso:

Praia da Ilha do Farol

Praia da Ilha do Farol

Praia da Ilha do Farol

Praia da Ilha do Farol

Praia da Ilha do Farol

Praia da Ilha do Farol

Isso tudo sem falar nas águas cristalinas e “cristalindas”…

Águas cristalinas e "cristalindas"

Águas cristalinas e “cristalindas”

Águas cristalinas e "cristalindas"

Águas cristalinas e “cristalindas”

Mergulho nas águas cristalinas e "cristalindas"

Mergulho nas águas cristalinas e “cristalindas”

De volta ao barco, hidratação e a vista maravilhosa de uma imagem de santa em meio a dois paredões:

Hidratação

Hidratação

Vista do barco

Vista do barco

E fomos contornando a ilha, observando o continente:

Vista do barco

Vista do barco

Vista do barco

Vista do barco

E o Atlântico:

Vista do barco

Vista do barco

Vista do barco

Vista do barco

Vista do barco

Vista do barco

A parte praiana da ilha, voltada para o continente, ficou para trás, dando vez à parte rochosa, voltada para o Leste.

Vista do barco

Vista do barco

Vista do barco

Vista do barco

A próxima parada ocorreu na famosa Gruta Azul. Mas, infelizmente, talvez por recomendação de segurança, não foi permitido o mergulho.

Gruta Azul

Gruta Azul

Gruta Azul

Gruta Azul

De pé, fui segurando uma madeira central que me fazia ter a sensação de, mesmo no barco, estar surfando, cada vez que a embarcação quicava nas ondas.

Surfando em pé no barco

Surfando em pé no barco

Dezinha surfando em pé no barco

Dezinha surfando em pé no barco

Mais bacana ainda foi o destino seguinte: as Prainhas (sim, em Arraial temos a Prainha, que é uma coisa, e as Prainhas, no Pontal do Atalaia, que são outra coisa).

Prainhas

Prainhas

Prainhas

Prainhas

O lugar é tão maravilhoso que queríamos ficar o dia inteiro por lá. Mas logo o barco chamou para irmos embora. No entanto, tivemos tempo para curtir a caipirinha e o visual (além dos mergulhos, é claro!).

Hidratação

Hidratação

Prainhas

Prainhas

Até na despedida o local consegue ser maravilhoso. Loucura!

Prainhas

Prainhas

Em seguida, fomos à Praia do Forno. Mas, em pleno sábado de janeiro, as proximidades da faixa de areia estavam tão lotadas de embarcações que tivemos de parar lá longe. E mergulhamos de lá mesmo. Falo na primeira pessoal do plural, mas me referindo a mim e a uma galera do barco, porque a Dezinha preferiu ficar lá em cima conversando, sem fazer questão nem de tirar foto do bobo que vos escreve. Reclamem com ela!

Atracados, paradinha na histórica pedra de 1503:

Pedra de 1503

Pedra de 1503

Pedra de 1503

Pedra de 1503

O fim de tarde não poderia ser em outro lugar que não fosse a Praia Grande.

Primeiro, almoço.

Almocinho lindo

Almocinho lindo

Depois, hidratação.

Hidratação

Hidratação

Abastecidos, corrida para a faixa de areia para contemplar um pôr do Sol maravilhoso, com a estrela dando a impressão de que se esconde dentro do oceano.

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Pôr do Sol na Praia Grande

Só o Sol se pôr que a Dezinha já passou a morrer de frio, enquanto eu me aventurava nas águas congelantes do local.

Dezinha com frio

Dezinha com frio

O bobo entre um mergulho e outro nas águas congelantes

O bobo entre um mergulho e outro nas águas congelantes

Depois do cansativo dia, fomos para “casa”, onde permanecemos até o amanhecer, que transformou a Prainha em um legítimo “formigueiro”.

Prainha

Prainha

Prainha

Prainha

Fiz questão de ir até o prédio do meu padrinho para rever o zelador Nivaldo, amigo de papai. Fiquei feliz sabendo que ele está bem e prometi voltar mais vezes.

Nivaldo e o bobo

Nivaldo e o bobo

Buscando mais tranquilidade, trilhamos rumo à Praia Miúda, deixando a Prainha para trás.

Trilha para a Praia Miúda

Trilha para a Praia Miúda

Trilha para a Praia Miúda

Trilha para a Praia Miúda

Até que chegamos a uma maravilhosa (e pequenina) faixa de areia, de onde se pode observar a Prainha ao fundo.

Praia Miúda

Praia Miúda

Praia Miúda

Praia Miúda

E esses cenários à frente:

Praia Miúda

Praia Miúda

Praia Miúda

Praia Miúda

No retorno à Prainha, conseguimos uma disputada mesa. E lá ficamos, hidratando, saboreando as deliciosas Empadas Praianas e os mais diversos petiscos, como esses camarões lindos:

Hidratação

Hidratação

O check-out na pousada já tinha sido feito desde a manhã, quando, gentilmente, Carlos deixou nossas mochilas guardadas em um quarto. Antes de irmos embora, fomos tomar banho em um chuveiro que nos foi disponibilizado na área da piscina, da qual, claro, eu não poderia me despedir sem um mergulho…

Piscina da pousada

Piscina da pousada


Gostou? Comente!
Curta nossa página no Facebook: Facebook.com/barcadaideia
Acesse todos os relatos em: Explorações

Patrocinador: Carpória – agência de comunicação.

Renaldo Souza

Um maluco de estrada que gosta de dar uma caminhada. Amante da natureza, dos churrascos e da cevada. Se Noé fez a arca, eu fiz a Barca. A Ideia, a gente arruma...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *