HOLAMBRA/SP

Viagem realizada em 14/11/2014 –

Conhecida como “Cidade das Flores”, Holambra é um destino turístico que recebe muitas mulheres, casais apaixonados e eu. Afinal de contas, não poderia deixar de curtir o visual e os bares do local, que recebeu colonização e caracterização holandesa, tendo até hoje muitos naturais do país europeu por lá.

Saímos de madrugada da Rodoviária Novo Rio, no Rio de Janeiro. O bobo que vos escreve, o guia Laésio e a turma, dividida em um carro e uma van. Foram longas 8 horas de viagem até nosso destino final, já na manhã do dia 15. Boa parte do percurso desviando das rotatórias que a cidade possui (umas 17 por cada habitante). Mas vale a pena quando se chega a esse maravilhoso portal:

Portal de Holambra

Portal de Holambra

Portal de Holambra

Portal de Holambra

E também quando, nele, olhamos para trás e vemos essa linda fileira de tuyas:

Tuyas

Tuyas

Vale destacar, ainda, que lá tivemos a honra de conhecer a inesquecível Derci, já que o município obriga a contratação de guias locais para visitação dos campos de flores:

Derci, nossa guia local

Derci, nossa guia local

Em seguida, paramos no Pronta Flora. Um local com uma variedade grande de espécies de plantas, flores e artesanatos.

Pronta Flora

Pronta Flora

Plantas e mais plantas

Plantas e mais plantas

Abaixo estão as pimenteiras por quem eu me apaixonei. Mais um pouco e eu traria todas pra casa…

Pimenteiras

Pimenteiras

Após o lanche, seguimos para o campo de flores, onde fomos recebidos pela guardiã do local:

Coruja guardiá

Coruja guardiã

Agora, sim, as flores. Rosas de todas as cores:

Rosa

Rosa

Rosas vermelhas

Rosas vermelhas

Destaque para esse materialzinho abaixo, que eles põem em cada flor para ajudá-la a desabrochar corretamente.

IMG_20141115_100559

Dali, fomos para umas tendas observar outras produções.

Flores

Flores

Flor botafoguense

Flor botafoguense

Em seguida, nos lançamos a pé pela cidade. E as primeiras coisas que me fizeram parar para fotografar foram essas placas de trânsito abaixo super estilizadas. Muito bacana! E estão espalhadas por todo lado.

Placa estilizada

Placa estilizada

Placa estilizada

Placa estilizada

Além delas, destaque para os orelhões (sim, ainda existem):

Orelhão estilizado

Orelhão estilizado

Orelhão estilizado

Orelhão estilizado

Tem também os sapatinhos, típicos dos holandeses para aquecerem os pés no inverno, encontrados em todos os cantos da cidade:

Sapatinhos holandeses

Sapatinhos holandeses

Sapatinhos holandeses

Sapatinhos holandeses

Agora, uma foto inédita: o galpão. Aqui está previsto para ser um espaço de eventos. Me senti muito honrado em ter estado lá com a obra ainda em andamento. Prometo retornar para fotografar o local em funcionamento (alô, galera de Holambra. Mereço um convite para a inauguração, hein?).

Galpão

Galpão

Destaque, também, para outros pontos bacanas da cidade:

Pracinha

Pracinha

Pracinha

Pracinha

Antes de irmos ao museu local, ficamos sabendo de uma exposição de carros antigos que ocorria perto dali justamente naquele fim de semana. E tive o privilégio de fotografar um em movimento:

Carro ancião

Carro ancião

O museu cobra 2 reais para ajuda de manutenção. Justíssimo!

Museu Holambra

Museu Holambra

Museu Holambra

Museu Holambra

O lugar é pequeno, mas bem rico em materiais. Tem até documento do Consulado do Brasil em Amsterdam da última década de 40…

Documento do Consulado do Brasil em Amsterdam

Documento do Consulado do Brasil em Amsterdam

Museu Holambra

Museu Holambra

Destaque, ainda, para uns veículos agrícolas do mesmo período:

Veículo agrícola ancião

Veículo agrícola ancião

Veículos agrícolas anciãos

Veículos agrícolas anciãos

Na sequência, como não poderia faltar, a Exposição de Carros Antigos (esses, urbanos). Um modelo mais lindo e conservado do que o outro.

Exposição de carros antigos

Exposição de Carros Antigos

Exposição de carros antigos

Exposição de Carros Antigos

Tinha até “baratinha”, carro usado na Fórmula 1 em mil novecentos e antigamente.

Exposição de carros antigos

Exposição de Carros Antigos

Fuscas, então, tinha de todas as cores. Até com mala traseira improvisada.

Exposição de Carros Antigos

Exposição de Carros Antigos

Exposição de Carros Antigos

Exposição de Carros Antigos

Enfim, fomos ao zoológico. Ou melhor, à nossa pousada. Não que fosse ruim. Muito pelo contrário. Tanto os quartos como as áreas de lazer são nota 10. Piscina, campinho de futebol, de vôlei, enfim, tudo o que se tem direito.

Pousada Europa

Pousada Europa

Pousada Europa

Pousada Europa

Mas tinha, também, coelho, jabuti, calopsita, etc. Aliás, que saudades deles!

Coelhinho da pousada

Coelhinho da pousada

Jabutis da pousada

Jabutis da pousada

Calopsitas da pousada

Calopsitas da pousada

Depois do almoço, hora do Empório do Rancho. Alambique sensacional, com sabores maravilhosos (o melhor é o de caraguatá).

Empório do Rancho

Empório do Rancho

Empório do Rancho

Empório do Rancho

Cachaça de "tudo" do Empório do Rancho

Cachaça de “tudo” do Empório do Rancho

Como não poderia deixar de fazer, o local também conta com suas belas flores:

Flores do Empório do Rancho

Flores do Empório do Rancho

Além da bebida, o lugar é super aconchegante, contado com uma poltrona suspensa maravilhosa e essa vista indescritível:

Empório do Rancho

Empório do Rancho

Empório do Rancho

Empório do Rancho

Em seguida, nova perambulação pela cidade, com direito a invasão aos belíssimos chalés abandonados:

Fachada do chalé abandonado

Fachada do chalé abandonado

Interior do chalé abandonado

Interior do chalé abandonado

Vista do chalé abandonado

Vista do chalé abandonado

Destino final: Schornstein Bar. Hora da hidratação, com cervejas e petiscos super especiais!

Hidratação

Hidratação

Veio o dia seguinte e a hora de conhecermos o Arurá, sítio que cria jacarés para comercialização da carne. O instrutor, antes de apresentar os animais, dá uma palestra bem legal exibindo algumas partes retiradas do corpo do bicho.

Dente de jacaré

Dente de jacaré

Partes extraídas de jacarés

Partes extraídas de jacarés

Antes da criação dos jacarés, um papo com os outros amiguinhos que habitam por lá:

Moradora do Arurá

Moradora do Arurá

Morador do Arurá

Morador do Arurá

Corujinha piscando pra gente

Corujinha piscando pra gente

Agora, sim, os “arurás” (é, é jacaré em tupi). Em média, eles são abatidos para alimentação aos 2 anos. Mas até lá até que têm uma vida boa, com piscininha particular e tudo:

Jacaré

Jacaré

Jacaré e sua piscina de flores

Jacaré e sua piscina de flores

De tanto vê-los, tive que pegar um filhotinho:

Jacarezinho

Jacarezinho

Jacarezinho

Jacarezinho

Aproveitei, ainda, para encarar a cobra (no sentido literal):

Encarando a cobra

Encarando a cobra

Encarando a cobra

Encarando a cobra

De lá, rumamos ao Moinho dos Ventos. Infelizmente, o local estava fechado devido a uma greve dos funcionários por falta de acordo com a Prefeitura.

Moinho dos Ventos

Moinho dos Ventos

O problema é que só soubemos disso quando já havíamos subido uns 3 andares e encontramos o “deck” trancado. Mas deu para ir fazendo fotos pelo caminho…

Interior do Moinho dos Ventos

Interior do Moinho dos Ventos

Vista da janela do Moinho dos Ventos: uma das inúmeras rotatórias da cidade

Vista da janela do Moinho dos Ventos: uma das inúmeras rotatórias da cidade

Em seguida: almoço e pausa para a galera comprar flores e artesanatos (comprei sapatinhos pra mamãe e Dezinha), retorno ao Pronta Flora e uma paradinha no Orquidário pra ver esse aquário super bacana:

Aquário do Orquidário

Aquário do Orquidário

Já no longo caminho de volta à Itaboraí, registro para o cansaço do totó, provavelmente depois de correr por tantas rotatórias…

Totó cansado de tantas rotatórias

Totó cansado de tantas rotatórias


Gostou? Comente!
Curta nossa página no Facebook: Facebook.com/barcadaideia
Acesse todos os relatos em: Explorações

Patrocinador: Carpória – agência de comunicação.

Renaldo Souza

Um maluco de estrada que gosta de dar uma caminhada. Amante da natureza, dos churrascos e da cevada. Se Noé fez a arca, eu fiz a Barca. A Ideia, a gente arruma...

4 Comments:

  1. Fala, Jeferson! Tudo bom?? Os chalés ficam na Avenida das Tulipas, em frente à Praça dos Coqueiros. Pode parecer engraçado, mas os nomes de alguns locais lá são referentes a vegetais mesmo.

  2. Boa tarde, sabe me dizer a localização desse chalé abandonado?

  3. Opa, Gabriela! Tudo bom??
    Ficam na Avenida das Tulipas, em frente à Praça dos Coqueiros.

  4. Olá, poderia me explicar como chegar nesse chalés?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *