RIO DE JANEIRO/RJ – Praias Selvagens

Trilhas feitas em 01/02/2015 –

Ainda na madrugada, saí de Itaboraí para encontrar o grupo da Adrenalina, liderado pelo guia Laésio, no Centro do Rio de Janeiro, de onde partiríamos em uma van para Guaratiba, na Zona Oeste da cidade. No caminho, recebemos umas “mijadas de São Pedro”. Mas quando chegamos, a chuva já tinha ficado no passado…

Em uma linda manhã cinzenta, chegamos à Praia da Barra de Guaratiba. Tempo para cafezinho, preparação e falação de bobeiras. Até que começamos o percurso, subindo uma longa escadaria na ladeira que fica ao término da praia. Para nós, trilheiros, tranquilaço. Mas fico pensando em quem mora lá em cima e precisa subir e descer aquilo toda hora. Ao menos tem dois pontos positivos: pode dispensar a academia e passar o dia contemplando essa vista:

Praia de Barra de Guaratiba

Praia de Barra de Guaratiba

A trilha se inicia e a maior dificuldade é uma grande rocha que precisa ser atravessada. No entanto, uns degrauzinhos estão lá para ajudar e impedir que seja problema para quem tenha o mínimo de preparo em trekking.

Seguindo adiante, os cenários vão aparecendo e nos deixando apaixonados por aquele lugar.

Cenário que vai aparecendo

Cenário que vai aparecendo

Cenário que vai aparecendo

Cenário que vai aparecendo

Uma bifurcação nos faz optar por seguir rumo à Praia do Perigoso ou a do Meio. Laésio decidiu pela segunda. E para lá fomos, mas tendo uma bela vista da primeira:

Praia do Perigoso

Praia do Perigoso

Destaque, também, para o monumento conhecido como Pedra da Tartaruga:

Pedra da Tartaruga

Pedra da Tartaruga

O término do caminho para a Praia do Meio pode dar um pouco de aflição em quem tem medo de exposição à altura. O terreno é bem inclinado e em dois momentos é recomendável segurar uma corda lá fixada para improvisar um rapel.

Descida final

Descida final

A chegada, no entanto, após cerca de uma hora, vale quase qualquer sacrifício.

Praia do Meio

Praia do Meio

Praia do Meio

Praia do Meio

Quase porque a bandeira vermelha da foto abaixo não fica lá por acaso. As ondas são fortes e chegam facilmente aos 3m, com o mar puxando bastante de volta, não sendo o banho nem um pouco recomendável.

Praia do Meio

Praia do Meio

Na sequência, fomos à Praia Funda. Cerca de 40min, sem dificuldades até o destino, onde fiquei impressionado com duas coisas: uma monstruosa e outra maravilhosa. A tristeza ficou por conta da quantidade de lixo deixada lá por porcos ignorantes. A alegria foi estar ao lado de um monte de bebês cães. Um mais lindo do que o outro. Tive até que me apressar para sair dali antes que me apaixonasse de vez e levasse todos para casa…

Totós da Praia Funda

Totós da Praia Funda

Totós da Praia Funda

Totós da Praia Funda

As ondas da Praia Funda são igualmente fortes, mas a beleza vale seu destaque particular.

Praia Funda

Praia Funda

Praia Funda

Praia Funda

No retorno, pausa para dois registros. Da Ilha Rasa:

Vista para a Ilha Rasa

Vista para a Ilha Rasa

Vista para a Ilha Rasa

Senhorita Beatriz e o bobo contemplando a Ilha Rasa

E do Jamming. Esse, em primeira mão! Senti o cheiro de bar e fui apurar o que seria, quando descobri que um novo palco para hidratação estava sendo gerado (e, aliás, com uma vista maravilhosa ao fundo). Disse que voltaria lá após a inauguração e tirei uma foto com o dono, que prometeu me dar uma cevada de cortesia no retorno. Fica a lembrança ao amigo. Promessa é dívida!

Garantindo uma cevada com o dono do Jamming

Garantindo uma cevada com o dono do Jamming

Sobre o Rio de Janeiro, acesse também o post de Ipanema.


Gostou? Comente!
Curta nossa página no Facebook: Facebook.com/barcadaideia
Acesse todos os relatos em: Explorações

Patrocinador: Carpória – agência de comunicação.

Renaldo Souza

Um maluco de estrada que gosta de dar uma caminhada. Amante da natureza, dos churrascos e da cevada. Se Noé fez a arca, eu fiz a Barca. A Ideia, a gente arruma...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *